Taurus transfere linha de produção de pistolas para os Estados Unidos

Pistola 9mm TS9 Striker. Foto: Divulgação

A fabricante de armamentos Taurus transferiu uma das suas linhas de produção de São Leopoldo, no Rio Grande do Sul, para a recém inaugurada fábrica de Bainbridge, na Georgia, Estados Unidos.

+ Conheça a Metralhadora 7.62mm FN MAG
+ Tecnologia de defesa da Coréia do Sul é nomeada a 9ª mais avançada do mundo
+ Primeiro A-29 Super Tucano da Força Aérea da Nigéria completa voo inaugural nos EUA
+ Força Aérea dos EUA envia bombardeiros B-1 sobre o Mar da China como mensagem à China
+ China diz que desenvolveu um rifle a laser que pode “carbonizar” carne humana

Segundo a Taurus o objetivo da empresa é aproveitar a alta do mercado americano de armamentos, o maior do mundo, e evitar a alta carga de impostos brasileira. A mudança não vai gerar demissões no Brasil, de acordo com a companhia.

Foi transferida a linha de produção da pistola 9mm TS9 Striker, desenvolvida para uso policial e militar. A operação aumentará a capacidade da fábrica americana em 50 mil armas por ano.

Até agosto, a Taurus pretende transferir outra linha de produção, a da pistola G2C, também de 9mm, a mais vendida da empresa, voltada para o uso civil e desenvolvida para o porte escondido. Neste caso, a expectativa é produzir 400 mil armas por ano, em dois turnos.

Segundo o presidente da Taurus Salesio Nuhs, é mais barato trazer as armas da fábrica da Geórgia do que produzir em São Leopoldo, as armas importadas, quando adquiridas por entidades públicas brasileiras, como as polícias, são isentas de impostos.

De qualquer forma, a companhia ressalta que seguirá fabricando mais de 4 mil armas por dia no País.

No ano passado, a Taurus produziu mais de 1 milhão de armas, ou cerca de 5.000 por dia. A nova fábrica americana dobrou a capacidade da empresa. A unidade foi construída com apoio do governo da Georgia, que concedeu incentivos fiscais. A maior capacidade ajudou a companhia a alcançar um lucro líquido de 43,4 milhões de reais, em 2019, revertendo um prejuízo de quase 60 milhões de reais, em 2018.

Back to top